In: Medalhas e Troféus

A História das Medalhas nas Olimpíadas é um pouco diferente do que se imagina. As medalhas, conhecidas como os símbolos da vitória em dispustas esportivas, não faziam parte da tradição dos Jogos Olímpicos da antiguidade. Elas só entraram para a competição nas edições modernas, a partir de 1896.

Grécia Antiga – A História das Medalhas nas Olimpíadas

As Olimpíadas da Antiguidade, que sugiram por volta de 776 a.C., eram jogos ao ar livre que homenageavam aos deuses. Elas aconteciam de quatro em quatro anos e representavam um período de trégua, em que as guerras eram suspensas para a realização dos jogos.

Os Jogos Olimpícos da Grécia Antiga aconteceram por séculos a fio, mas as medalhas não faziam parte de sua tradição. Em vez disso, os vencedores eram consagrados com coroas de folhas de oliveira colhidas em uma árvore sagrada nos jardins do templo de Zeus.

Os primeiros jogos modernos – A História das Medalhas nas Olimpíadas

Os primeiros jogos modernos – A História das Medalhas nas Olimpíadas

A história das medalhas nas Olimpíadas começou com os primeiros Jogos Olímpicos da Era Moderna. O evento foi realizado em 1896 pelo barão Pierre de Coubertin e sediado em Atenas, na Grécia.

Na primeira edição dos Jogos Olímpicos modernos, não havia medalha de ouro. Os primeiros colados ganhavam medalhas de prata, enquanto os segundos colocados ganhavam medalhas de bronze. Além das medalhas, eles também eram concedidos um diploma e um ramo de oliveira, o que pode ser visto como uma homenagem às origens dos jogos.

Nas medalhas, estava a face de Zeus, deus máximo da mitologia grega, com Nike, a deusa da vitória, em sua mão. No verso, estava gravada a Acrópole e, em grego, a inscrição “Jogos Olímpicos Internacionais de Atenas”, “1896”.

A medalha de ouro – A História das Medalhas nas Olimpíadas

A medalha de ouro – A História das Medalhas nas Olimpíadas

Em 1900, a segunda edição dos Jogos Olímpicos modernos, sediada em Paris, estreou a medalha de ouro. A partir daí, os três primeiros colocados de cada competição ganhavam medalhas.

Fora a presença do ouro, outra característica marcante foi o formato das medalhas olímpicas: elas eram retangulares. Nunca fabricou-se medalhas retangulares nas olimpíadas novamente, tornando a edição de 1900 única.

Em um lado da medalha, estava a representação de uma deusa alada em Paris. Do outro, um competidor no pódio de uma arena, segurando seu ramo de oliveira, enquanto pode-se observar a Acrópole de Atenas no fundo.

Atualidade – A História das Medalhas nas Olimpíadas

Atualidade – A História das Medalhas nas Olimpíadas

Desde então, a história das medalhas nas Olimpíadas seguiu sem grandes variações. Em 1904, na edição de St. Louis, as medalhas olímpicas eram redondas e presas nas roupas dos competidores por alfinete.

Nas Olimpíadas de Londres, em 1908, estabeleceu-se o modelo tradicional redondo e pendurado como um colar. Atualmente, as medalhas olímpicas tem no mínimo 6 cm de diâmetro e 3 mm de espessura. O estilo e a escolha de imagens é de escolha do país sede.

Ao longo dos anos, uma das principais alterações nas medalhas olimpícas foi referente aos metais utilizados. As medalhas de ouro passaram a ter cerca de 92% de prata e somente 6 gramas de ouro. Essa decisão permite que as medalhas sejam mais rígidas e resistentes, além de diminuir o custo.